É Notícia Matéria Principal

Terremoto mata pelo menos 34 estudantes de teologia, na Indonésia

Foto: Adek Berry / AFP

Nesta terça-feira (2), socorristas da Indonésia confirmaram o descobrimento dos corpos de 34 estudantes de teologia, que morreram dentro de uma igreja, devido ao terremoto que atingiu a ilha de Sulawesi. Cerca de 52 seminaristas ainda estão desaparecidos, segundo informações de uma porta-voz da Cruz Vermelha local.

“A equipe (de socorristas) encontrou 34 corpos no total”, disse Aulia Arriani.

Segundo Ariani, um dos fatores que está atrasando ainda mais as buscas é que o local é de difícil acesso.

“O problema mais sério é andar a pé na lama durante uma hora e meia transportando os corpos”, contou.

O terremoto seguido de um tsunami devastou a região central da ilha na última sexta-feira (28). Até o momento, o número de mortos chegou a 844, porém esta marca pode aumentar, à medida que os socorristas tiverem mais acesso às zonas remotas atingidas, como o distrito de Sigi Biromaru, a sudeste de Palu..

Além dos aproximadamente 844 mortos, a catástrofe também deixou 59.000 deslocados e o Escritório para a Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA) da ONU tem calculado que 191 mil pessoas ainda precisam de ajuda urgente, incluindo 46 mil crianças e 14 mil idosos.

A Indonésia está localizada sobre o que se chama de Anel de Fogo do Pacífico — uma zona de grande atividade sísmica e vulcânica — onde, anualmente, se registram cerca de 7.000 terremotos, porém a maioria deles é moderada.

Somente entre 29 de junho e 19 de agosto, pelo menos 557 pessoas morreram e quase 400.000 ficaram deslocadas, em razão dos quatro terremotos de magnitudes entre 6,3 e 6,9, que sacudiram a ilha indonésia de Lombok.

Ajuda internacional

Dezenas de agências humanitárias e ONGs estão oferecendo ajuda ao país ofereceram ajuda ao país, porém o envio de material à região ainda tem muitas dificuldades, como estradas bloqueadas e aeroportos muito danificados.

O presidente da Indonésia, Joko Widodo autorizou a entrada da ajuda internacional de urgência e as autoridades declararam estado de emergência de 14 dias.

Fonte: Guia-me, com informações do G1

Sobre o autor

Roberta Marassi

Roberta Marassi é jornalista, pós-graduada em telejornalismo, editora da revista GeraçãoJC, membro da AD.

Add Comentário

Clique aqui para postar comentários