É Notícia Matéria Principal

Pastor preso na Turquia pode ser libertado em sua próxima audiência

Foto: Reprodução

O jornal turco Hürriyet Daily News informou em um artigo publicado no dia 30 de junho que o governo poderia libertar o pastor americano Andrew Brunson em sua próxima audiência, que acontecerá no dia 18 de julho.

O periódico informa que “o caso de Brunson tem atraído enorme atenção nos Estados Unidos, tanto política como religiosamente” e levou a “uma série de intervenções parlamentares contra a Turquia, o que pode causar consequências políticas”.

O artigo ainda acrescenta que “Brunson, que está preso desde o final de 2016, parece estar custando caro demais para a Turquia e sua detenção, complicando ainda mais a situação do país. É por isso que muitos diplomatas esperam sua possível libertação na audiência do dia 18 de julho e que logo em seguida ele seja deportado”.

Brunson, que é pastor missionário na Turquia há 23 anos, foi indiciado por acusações infundadas relacionadas a terrorismo e espionagem. Ele pode enfrentar até 35 anos de prisão.

Lutando pela causa do pastor, o Senado dos Estados Unidos interrompeu a entrega de aviões F-35 Joint Strike Fighter de última geração para a Turquia. Os senadores americanos Lindsey Graham e Jeanne Shaheen viajaram para a Turquia para discutir o caso de Brunson com o presidente turco Recep Tayyip Erdoğan no dia 29 de junho.

Eles também visitaram o pastor Brunson na cadeia. O senador Shaheen, um democrata que foi co-autor do projeto em abril para impedir a transferência do F-35 para a Turquia, disse: “A escolha do presidente turco Erdogan de tomar reféns e encarcerar americanos inocentes foi uma tentativa de ganhar influência sobre os Estados Unidos”.

Erdogan e seu governo devem obedecer ao estado de direito dentro de seu próprio país e no exterior, e libertar o Pastor Andrew Brunson, além de outros americanos detidos ilegalmente na Turquia.

O jornal turco que relatou a possibilidade da libertação de Brunson acrescentou que apesar disso, é impossível prever qual será a decisão do tribunal.

 

Fonte: Guiame/ Com informações da CBN News